10 de fevereiro de 2016

Chegou o inverno


É oficial: chegou o inverno.
Depois de um outono prolongado até janeiro, o inverno finalmente chegou em fevereiro. O vento, o frio e a chuva infindável parecem ter vindo para ficar.

Que ninguém se queixe mais de seca prolongada à minha frente! As albufeiras e barragens estão novamente cheias.

O céu está cinzento, a chuva cai copiosamente. Já não sei o que fazer aos miúdos em férias de Carnaval. Passaram as férias de Natal com chuva. Começaram as aulas e voltou o bom tempo de outono. Entram em férias de Carnaval e volta a chover diariamente.

Já chega S. Pedro! Não brinco mais, ouviste? Já está na altura de darmos passeios ao ar livre, de andarmos de bicicleta. Estamos em fevereiro, fevereiro, ouviste?



9 de fevereiro de 2016

Carnaval Português

Máscaras de madeira de Lazarim
Depois de me revoltar com as festas importadas do Carnaval de outros lugares, trago agora o que sobra do verdadeiro Carnaval Português.

Um Carnaval confinado a aldeias de montanha, como poucas trocas culturais com outras povoações.
Lazarim, no Concelho de Lamego, com as suas máscaras de madeira é um dos exemplos preservados.

Máscaras de madeira de Lazarim


Máscaras de madeira de Lazarim
Podence, no Concelho de Macedo de Cavaleiros, com os seus caretos constituem o exemplo mais conhecido. Numa explosão de alegria e de um pouco de agressividade também, os caretos correm as ruas para bater com os seus chocalhos nas raparigas solteiras. Pelo caminho vão assaltando os fumeiros da aldeia, levando todos os enchidos que conseguem carregar.

Caretos de Podence


Caretos de Podence

8 de fevereiro de 2016

Carnaval importado




Carnaval de Loulé, ou do Rio de Janeiro?

Por onde andam as serpentinas, os papelinhos, os estalinhos e até as bombinhas de mau cheiro?

Digam o que disserem não consigo gostar desta importação de costumes de outros, onde o Carnaval se celebra em pleno verão tropical.

Ver as meninas a abanar a celulite, com pele de galinha enquanto saboreio o meu chá quente não combina. Há uma descontinuidade cénica que não convence.




7 de fevereiro de 2016

Quando já não querem mascarar-se aos bonecos do costume


Os miúdos crescem e deixam de querer mascarar-se aos heróis do costume.
Dão largas à imaginação e pedem-nos uma máscara à medida.
- Mamã, este Carnaval quero mascarar-me de agente secreto.
- E como é o agente secreto?
- Tem camisa branca, gravata e óculos escuros. Ah! E calças pretas e casaco preto.

Foi como quando eu era miúda e não havia lojas cheias de fatos de Carnaval manhosos. Atirámo-nos às gavetas, roupeiros e acessórios de mãe e pai!

Umas calças azuis escuras e camisa azul clara (dele), uma gravata preta (do pai), um blazer preto (meu), a que tive de coser as mangas pelo meu cotovelo para chegar ao pulso dele, e voilá!

Acrescentamos uns óculos escuros pretos (meus) e lá foi o rapaz fazer o enorme sucesso de ser o único agente secreto da escola!

É isto que gosto do Carnaval, construir máscaras com as peças que temos em casa. Mascarar-nos do que a nossa imaginação se lembrar.

O Carnaval da minha infância era assim. Mascarava-me sempre de algo diferente, com as roupas e acessórios que a minha avó arranjava.

Vocês também se mascaravam em criança? Continuam a tradição com os vossos filhos?




6 de fevereiro de 2016

Perigos de inverno


Se no verão ouvimos notícias de banhistas que morrem afogados, no inverno somos surpreendidos por esquiadores apanhados por avalanches.

Este ano tem sido bastante propicio. Por estes dias, mais cinco checos morreram numa avalanche quando esquiavam numa estância na Áustria.

Aqui há que ter também atenção aos avisos meteorológicos. Havia para a região um aviso de risco de avalanches de grau 3, o terceiro mais elevado numa escala de cinco. Não podem dizer que não foram avisados!

5 de fevereiro de 2016

Tem filhos? Vai ter mais austeridade

Fiquei hoje a saber que a austeridade vai ser maior em 2016 do que foi em 2015. Vão devolver-nos parte da sobretaxa do IRS, mas vamos pagar mais por gasolina, por tabaco (para quem fuma), pela compra de automóveis. Devolvem de um lado para retirar do outro.

Mas para mim, o mais grave, é o aumento do IRS para as famílias com filhos. Retiram o coeficiente de 0,3 por filho. Este coeficiente, não sendo ainda justo para quem tem filhos, estava mais próximo da justiça, do que a situação das famílias em 2016. Cada filho vai ter uma dedução fixa no IRS no valor de 550€, valor inferior ao apurado com o coeficiente de 0,3%.

O que seria realmente justo seria cada filho valer uma pessoa inteira, isto é valer UM, tal como expliquei aqui.

Quem julgava que tinha deixado a austeridade para trás, desengane-se.

Este ano, as famílias com filhos serão ainda mais penalizadas no apuramento do seu IRS, ou seja, vão pagar mais IRS em 2016 do que pagaram em 2015.


26 de janeiro de 2016

Por onde andam as bananas?



Gostava de descobrir o que aconteceu no Pingo Doce. Será que deixaram definitivamente de ter bananas? Ontem não havia uma única disponível. Como era segunda feira dei algum desconto, mas hoje voltam a não ter. Será que há problemas de entregas ou não pagaram a fatura anterior?

No Minipreço (em frente) não faltavam as bananas.
Just saying.

22 de janeiro de 2016

Conversas lá de casa #18

A avó enviou um saco com as prendas de Natal para todos.
Não é que não tenha estado connosco nesse dia, mas a sua cabeça já não permite lembrar de pegar no saco das prendas quando a vão buscar para o almoço de Natal.

Os miúdos não se importam nada de receber as prendas agora, é como se o Natal durasse mais tempo.

Também veio uma prenda para mim. Abro o embrulho e encontro um cachecol cor de laranja! Um cachecol-gola de lã laranja vivo.

Fico a olhar para o dito e a pensar como o poderia combinar com alguma coisa. Desisto. Ofereço-o à minha filha que rapidamente chega à conclusão que não fica bem com nenhuma das suas roupas.Também ela rapidamente me vem devolvê-lo.

- Toma o cachecol da avó. Vais usá-lo?
- Não consigo, não fica bem com as roupas que tenho.
- Mamã, não te preocupes. Sabes que as velhinhas já não têm muito jeito para escolher. Não tens de usá-lo, só tens de agradecer.

E aos 11 anos, é assim a sua visão da relação com os mais velhos.



Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...